Inimigos íntimos

:: Ruy Castro em 05/04/2019 03:13 ::

No Brasil do passado, havia o partido da situação e o partido da oposição, e seus adeptos eram chamados de simpatizantes. Veja bem, simpatizantes -e não antipatizantes, embora, às vezes, alguns demonstrassem mais aversão ao partido adversário do que afinidade com o seu próprio. Mas, tendo crescido entre partidários do PSD (o partido do governo, das raposas mineiras e dos proprietários rurais) e da UDN (o da oposição, dos “homens de bem” e da classe média urbana), posso garantir que eles viviam em razoável harmonia. Seus líderes se xingavam nos comícios, mas a briga raramente descia do palanque. 
… (04/05/2019 – 02h00)

Leia esta matéria na íntegra em Ruy Castro.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Votar sem saber direito

:: Ruy Castro em 03/04/2019 02:26 ::

Os britânicos estão às voltas com as complicações decorrentes da sua dramática decisão de sair da União Europeia, decretada por um referendo em junho de 2016. É o famoso brexit, que está diariamente no noticiário e que, nós, que não somos ingleses nem europeus, tentamos acompanhar sem entender direito. O imbróglio envolve a primeira-ministra Theresa May, o Parlamento, os outros países e, agora, o próprio povo britânico, que parece se dar conta de ter feito besteira ao votar pela saída.
Continue lendo “Votar sem saber direito”

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Quem viu Pelé

:: Ruy Castro em 01/04/2019 03:07 ::

O vento que sopra sobre a crônica esportiva trouxe de novo a discussão sobre quem seria maior, Pelé ou Messi. Assim como o Juca Kfouri, inclua-me fora dela. Como assisti a Pelé jogar, fiquei prematuramente quite com o futebol -podia morrer sem ver mais ninguém, logo não tenho o que discutir. Mas, e quem não teve essa felicidade? 
Leia mais (04/01/2019 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A falsa boa ideia

:: Ruy Castro em 31/03/2019 03:57 ::

Rita Lee contou certa vez que, um dia, em Londres, viu-se diante da porta da sala de John Lennon no prédio da Apple, a corporação que geria os negócios dos Beatles. Emocionada, não vacilou: lambeu a maçaneta da porta sagrada. Era o mais perto que podia chegar de um membro de John -no caso, os dedos que ele usava para abrir a maçaneta. Não lhe ocorreu que John Lennon não abria portas -todo mundo fazia aquilo por ele. Donde Rita lambeu a maçaneta em vão. Na hora, parecia uma boa ideia. Mas era uma falsa boa ideia.
Leia mais (03/31/2019 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O valor de ‘pi’

:: Ruy Castro em 29/03/2019 02:47 ::

Uma notícia de jornal trouxe-me à memória um fantasma da adolescência: “pi”. “Pi”, para quem não sabe, tem a ver com matemática. É a resultante da razão entre a circunferência e o diâmetro de um círculo. Não sei o que isso significa -apenas copiei a descrição do jornal. Durante toda a vida escolar, fui atormentado por “pi”. Quando o professor tirava o giz do bolso do guarda-pó, enchia o quadro com números e falava em “pi”, eu já sabia que aquilo logo me renderia um zero.
Leia mais (03/29/2019 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

De volta ao amadorismo

:: Ruy Castro em 25/03/2019 02:22 ::

A história é conhecida. Em 1956, no Rio, o jornalista Lucio Rangel apresentou o jovem Tom Jobim a Vinicius de Moraes no bar Villarino, como sendo o homem que Vinicius procurava para musicar sua peça “Orfeu da Conceição”. Para Vinicius, se Lucio Rangel o indicava, é porque Tom devia ser bom mesmo. E fez com a cabeça algo como “Ótimo!” ou “Vamos nessa!”. E, então, Tom perguntou: “Tem um dinheirinho nisso?”. 
Leia mais (03/25/2019 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O cantor que mudou a história

:: Ruy Castro em 24/03/2019 02:22 ::

Nat King Cole, o cantor americano, foi universalmente reverenciado no domingo último (17) pelo centenário de seu nascimento -ele, que morreu tão cedo, em 1965, a semanas de fazer 46 anos. A maioria dos textos citou as gravações pelas quais, segundo consta, ele será lembrado: “Nature Boy”, “Mona Lisa”, “Unforgettable”, “Blue Gardenia”, “Ramblin? Rose”, “Pretend”, “Too Young” e até a incrível “Cachito”. Nada contra a música romântica, claro, mas precisa ser tão óbvia? 
Leia mais (03/24/2019 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

A língua estrangulada

:: Ruy Castro em 22/03/2019 03:03 ::

Sempre acreditei que um texto, para ser “bem escrito”, deveria ser conciso, claro e verdadeiro. O problema é quando a concisão compromete a clareza. As siglas, por exemplo. Nada mais conciso do que elas. Mas serão claras? Só se você souber previamente o que significam. Um absurdo de siglas circula hoje alegremente pela língua -nem sempre identificadas entre parênteses-, o que nos obriga a piruetas mentais para saber qual é o quê. Como é impossível saber todas, a sigla é a língua estrangulada. Leia mais (03/22/2019 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

Na cabeça do mandante

:: Ruy Castro em 20/03/2019 02:28 ::

No dia 15 último, quem andou pelas ruas do Rio viu-se cercado de imagens de Marielle Franco. Seu rosto estava em cartazes, faixas, camisetas, buttons, num boneco gigante e nas vozes de multidões na Candelária, na Cinelândia e no local onde ela foi morta há um ano, no Estácio, com seu motorista Anderson Gomes. Cenas parecidas aconteceram em São Paulo, Belo Horizonte, Lisboa, Buenos Aires. Rádios passaram o dia cobrindo as manifestações, amplificando as vozes de políticos, advogados, religiosos, estudantes e ativistas, todos empenhados numa nova pergunta: “Quem mandou matar Marielle?”. Leia mais (03/20/2019 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais

O mundo no bolso

:: Ruy Castro em 18/03/2019 03:05 ::

Um sujeito chamado Jerry Merryman morreu no dia 27 último em Dallas, Texas. Tinha 86 anos. Estava hospitalizado por complicações de uma cirurgia. Não houve comoção pela notícia. As Bolsas também não oscilaram. E mesmo os jornais americanos deram o seu obituário com atraso. Pelo visto, ele não era muito importante. Leia mais (03/18/2019 – 02h00)

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais