Kennedy Alencar: YouTube radicalizou debate público no Brasil, diz ‘The New York Times’

Fonte: Kennedy Alencar | Kennedy Alencar em 14/08/2019 às 13:00 h

Carregando imagem...

Deu no ‘The New York Times’ que o YouTube radicalizou o debate público no Brasil e favoreceu ideias de direita e extrema-direita, o que ajudou a eleger Bolsonaro.

A reportagem fala dos riscos que algoritmos e inteligência artificial podem oferecer às democracias. O artigo conta a história de um jovem brasileiro que recebeu uma recomendação de vídeo. Era sugestão para assistir um YouTuber ativista de extrema-direita que também fala de heavy metal. O cidadão é especialista em teorias conspiratórias, fake news e paranoias de extrema-direita.

No YouTube, há vídeos com informações médicas falsas sobre como enfrentar a zika. Existe difusão de meias-verdades sobre corrupção para causar impacto na opinião pública. É óbvio que essas coisas favoreceram a eleição de um presidente de extrema-direita no Brasil e radicalizaram mesmo o debate político no país.

Empresas como o Google, Facebook e Twitter não são meras plataformas de tecnologia.

Viraram grandes órgãos de mídia nos quais é fácil difamar e mentir impunemente. O mundo tem de discutir uma forma de regular o poder desses conglomerados com impacto global, sob pena de subversão da democracia e deixar que algoritmos tornem partidos obsoletos e decidam eleições.

*

Homo Deus

O assunto abordado na reportagem do ‘The New York Times’ é uma das preocupações centrais de ‘Homo Deus, Uma Breve História do Amanhã’, de Yuval Noah Harari, que indaga o que acontecerá quando algoritmos que não são conscientes mas altamente inteligentes nos conhecerem melhor do que nós mesmos

‘Homo Deus’ é um livro da Companhia das Letras. O autor é o mesmo de ‘Sapiens, Uma Breve História da Humanidade’. Recomendo a leitura das duas obras. Comecei ontem à noite a ler um terceiro livro de Harari, ’21 Lições para o Século 21″. Tá interessante. Ouça esse comentário a partir dos 6 minutos e 8 segundos no áudio no fim do texto.

*

Bárbaros

Houve três vítimas de balas perdidas em quatro dias no Rio de Janeiro. O governador Wilson Witzel e o presidente Jair Bolsonaro continuam com um discurso que incentiva a violência policial e não produz resultado em segurança pública. Ambos oferecem ao Brasil a paz dos cemitérios, sobretudo aos pretos e pobres. Ouça este comentário a partir dos 9 minutos no áudio abaixo:

Clique aqui para ver esta matéria na íntegra.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais