Serviços de proteção especial da SDS promovem mudanças na vida de assistida

Visto 1 vezes

:: Prefeitura em 14/02/2019 17:49 ::

1402_3_sds_assistencia_pjf_171436.jpg
Jéssica Lorrane Medeiros tem 27 anos, nasceu na cidade de Teixeiras, na Zona da Mata mineira, mas há quatro anos sua casa se tornou Juiz de Fora. Veio para trabalhar como vendedora, mas após seis meses perdeu o serviço, passando a viver nas ruas. Segundo ela, viveu por cerca de uma semana sem perspectivas: Quando se está na rua é difícil encontrar lugar para almoçar e dormir, e até mesmo saber em quem confiar.

Passei por muitas dificuldades.

Até que foi atendida pela Casa de Passagem para mulheres. Lá, conheceu o Centro Pop e a Casa Florescer, onde hoje é voluntária: Ajudo nas oficinas. Quero fazer a diferença e mostrar que as pessoas podem mudar. Há cerca de cinco meses Jéssica trabalha nos serviços gerais da Casa Cidadania, e agora quer auxiliar a família: Passei por muita coisa, e ainda estou de pé. Meu foco agora é ajudar minha mãe e minhas irmãs. Também penso em comprar uma casinha.

Jéssica é uma das usuárias atendidas pelos serviços de proteção especial da Secretaria de Desenvolvimento Social (SDS). A finalidade dos programas é assegurar atendimento e atividades direcionadas para o desenvolvimento de sociabilidades, na perspectiva de fortalecimento de vínculos interpessoais ou familiares que oportunizem a construção de novos projetos de vida, explicou a gerente do Departamento de Proteção Especial (DPE), Gisele Zaquini.

As ações oferecem orientações individuais e grupais, encaminhamentos a serviços socioassistenciais e demais políticas públicas que possam contribuir na construção da autonomia, inserção social e proteção às situações de violência. Elas são desenvolvidas por meio da Casa de Passagem para Mulheres e Famílias em Trânsito, Casa de Passagem para Homens, Acolhimento Institucional de Adultos, Centro Pop e Casa Florescer . Há também o Programa de Atendimento Psicossocial de adultos, que visa subsidiar os usuários no processo de saída da situação de rua. As entidades parceiras na execução dos serviços são a Associação Municipal de Apoio Comunitário (Amac) e a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (Adra).

Foto: Divulgação

* Informações com a Assessoria de Comunicação da Secretaria de Desenvolvimento Social, pelo telefone 3690-8314.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Compartilhe esta postagem nas redes sociais